7.2.08

Experiência Política


Neste início de ano, ocorreu comigo um fenômeno muito estranho. Enfurnado na situação política de minha pequena Divinóia, venho noticiando várias irregularidades, denunciando, apurando, papel de um jornalista que se preze. Valorizando também as boas atitudes, que são mínimas, mas exigem reconhecimento.
Ocorre que estou sendo vítima de elogios políticos, e isso é um problema. Aonde eu chego é "parabéns, continue assim, vindo de um deputado, vereadores e até de majestade prefeito."
Chegou ao ponto de minha mãe ficar sabendo lá nas bandas de Belo Horizonte e me ligar toda contente e oriçada "meu filho, que bom, ninuém ainda te chamou para algum partido político?" disse ela ao telefone. (sim, minha mãe é doida, faz direito e acha que a democracia vai nos salvar. Acho que é por isso que sou assim, digamos, revoltado).
O fato é que a gente, nesse meio, descobre muita coisa. descobri e criei uma teoria que, dentro da sua pequenez, se propoe a nortear problemas da eleição em caráter nacional. Megalomania, eu tenho, mas acho que posso sim utilizar este conceito do Oiapoque ao Chuí. Conceito elaborado após uma eleição para presidente da Câmara Municipal na legislatura 2008.


Eleição é tudo igual. Oposição, situação, todos corrompem na busca por mais forças, lideranças comunitárias, partidárias, apoio político, votos. A única e fundamental diferênça é que quem perde denuncia fraudes do oponente e quem ganha enaltece o caráter democrático"


Acho que vivemos num lixo político e não tenho tantas espectativas, como a minha mãe, e vocês, leitores?

4 comentários:

Ale disse...

Concordo que o mundo tá num grande monte de merda, mas voce não acredita na democracia? No poder do povo? Acredita em que então? Voto censitário, voto de cabresto?

Marcelo de Freitas disse...

acredito sim ale na democracia, no poder do povo, mas não por intermédio de uma ou outra lefgenda, entidade ou qualquer outra foram, não acredito em intermediários. o poder do povo, pra mim se faz com o povo, pelo povo e para o povo.
utopia, não? mas a grosso modo é isso

Ale disse...

Ah sim, agora entendi...

Pensei que voce fosse monárquico, quisesse um rei aqui e os filhos dele que seguiriam ele no poder....

Marcelo de Freitas disse...

kkkkkkkkkkk, que bom que entendeu
obrigado