27.2.08

editorial

Sim amigos incendiários, estou crescendo na profissão, mesmo antes da formatura, já tenho um portfólio considerável mais ainda não estou satisfeito.
A última novidade é que ganhei status no meu veículo de trabalho. Tornei me o editor do Jornal Magazine, meu primeiro editorial num jornal impresso, de circulação regional. Pelo menos nesta mídia, pequena mas válida, cresci na cadeia alimentar, não sou mais foca.
Grandes coisas, quero continuar crescendo e, para isso, conto com este ponto de debates. Jogo, pois, no fogo o tão falado editorial, que já até me rendeu alguns elogios.

>Ditadura do pão de queijo

Regimes de governo caracterizados pelo mando unilateral de algum governante não estão em moda no cenário político. Desde o nazi-fascismo, passando pelas ditaduras militares em vários países e por mandatos do regime soviético, nada sobreviveu para exemplificarmos.

Parecia que a exceção seria a pequena ilha no Mar do Caribe. Cuba, país de posição geográfica estratégica para incomodar a grande potência americana, aos trancos e barrancos mantinha ares de coronelismo, satisfazia às necessidades do manda-chuva Fidel Castro. Como sabemos, nada é infinito e o tempo foi o mais rigoroso adversário do líder cubano.

Na terça-feira 19, Fidel Castro, que exerceu seu mandato por 49 anos, anunciou para o mundo inteiro que não exerceria mais a Presidência de Cuba. Ele, talvez, fosse o último dos representantes de uma ditadura tradicional, comandada à mão-de-ferro.

Atualmente, o coronelismo se modernizou. Ditaduras são criadas a todo momento e maquiadas pela mais importante arma do século XX - capaz de deixar qualquer jaburu capacitado para desfilar nos mais fashions eventos de moda do mundo -, a mídia.

No mundo, temos exemplo de ditaduras moderninhas, a denominada globalização. No Brasil, até há pouco tempo, o baiano Antônio Carlos Magalhães ditava moda na boa terra.

Aqui em Divinópolis, não é diferente. O poderio do ´Excelência`, pai do prefeito, ex-deputado estadual Geraldo da Costa Pereira, ganhou notoriedade no jornal O Tempo e está aí, para quem quiser comprovar.

Temos a nossa versão de ditadura, menos imposta que as outras, pelas proporções das lideranças citadas não poderia ser diferente, mas de qualquer forma, a versão míni pão de queijo da nossa ditadura caseira gera graves problemas à sociedade. Basta uma olhada para os lados, para vislumbrar problemas de administração numa cidade que não sabe quem governa. Pai e filho ficam escondidos em seus palácios de muros altos, cercados por seguranças armados, ouvindo dos bobos da corte a descrição do jardim do éden e enquanto isso a população se acumula nas filas de reclamação, de falta de atendimento, do esquecimento público e da violência.

Mas está na hora de começarem a se lembrar, pois daqui a oito meses temos que ser como ovelhinhas bem cuidadas e conduzir mais representantes a seus respectivos gabinetes. Ainda bem que, como disse em outros tempos, nada é infinito.

7 comentários:

José Luiz Teixeira disse...

Oi, Marcelo, parabénspelo seu blog e pela profissão que escolheu. Boa sorte. Se me permite um palpite, aumente um pouquinho o tamanho das letras do seu blog p ara facilitar a leitura, principalmente de quem, como eu, já passou dos cinquenta.

um abraço e boa sorte na profissão,

Marcelo de Freitas disse...

obrigado José Luís, quanto à diagramação, passo sua sugestão ao Pablo, outro incendiário, que é o autor deste layout bacanão

João Barreto disse...

o tempo não seria algo infinito?

Pablo Pamplona disse...

Bom... proposta feita, letras devidamente aumentadas. Sem mais, talvez seja melhor assim :)

Marcelo, enfim você voltou! Primeiramente e mais uma vez, parabéns pelo espaço conquistado no jornal!

Quanto a Fidel, não acredito que o socialismo cubano já faça parte do passado. Nós tanto falamos sobre o fato do Fidel ter saído, sobre uma possível "democratização" na ilha, etc, todas aquelas lindas palavras dos candidatos estadunidenses, etc etc. Mas em Cuba, diz-se que não houve surpresa nenhuma a ninguém. Caramba, o homem tem mais de 80 anos e tá quase batendo as botas (pela última vez?)! Todos já esperavam por isso, então ninguém saiu pra comemorar, pra chorar, pra nada... e no mais, o Raúl deve manter tudo dentro dos conformes.

Quanto às demais ditaduras, espero que elas estejam chegando ao seu fim, como tanto propõe a utopia da web. Será que as pessoas vão virar a mídia? Ouviremos mais opiniões e versões de uma mesma história? Fim do monopólio e unanimidade midiáticos? Acredito que sim.

João, ??? ...

abs,

Marcelo de Freitas disse...

pis é amigo pablo incendiario, o Raul e o vice do raul são companheiros de armas da revolução. lembre-se que ele é só 5 anos mais novo e participou da revolução. concordo com vc que o socialismo não acabou, espero que não
acontece que o poder americano quer a ilha a 150 km de miami

Marcelo de Freitas disse...

o tempo pode até ser infinito João, mas não sabemos se terá alguém para contar essa história por muito tempo

Isabella Santos disse...

ei D2, parabéns pra ti, vc merece. e aqui, já q vc tá mandando no jornal, tenho uma pauta pra ti: lixo hospitalar na ascadi. apura direitinho, acho q vale a pena.
abs pra ti.