20.6.07

Aniversários e dias comemorativos em geral

Travis, o travesseiro confidente

O Homem fica se achando demais, se esbaldando que é o ser mais desenvolvido do planeta, que detém o poder do destino de sua e das demais vidas na Terra, mas estou começando a achar que são muito previsíveis.

Calma leitor, sei que você também está inserido nesta definição, mas, antes de pensar que sou apenas um travesseiro, ou uma pessoa maluca que dá voz a um travesseiro, leia as explicações.

Como exêmplo, vou citar a postagem abaixo, texto do meu dono, Marcelo de Freitas. É tudo a mesma coisa, e serve pra vários feriados, dias santos, aniversários, basta só forçar um pouco a leitura.

Todo ano nas festividades nacionais, estaduais, municipais, pessoais, santos, vem um monte de gente fazendo discursos valorizando a importância de uma nação, estado, município - currais eleitorais - ou de uma pessoa ou entidade religiosa. Falam que não saberiam imaginar suas realidades sem os benefícios dessas instituições e coisa e tal...

BALELA, é impressionante o grau de previsibilidade desse povo, no aniversário do Marcelo eles dão parabéns e muitos anos de vida desde que eu existo, no de Divinópolis alimentam o discurso da força popular e do desenvolvimento da cidade, que povo mais sem criatividade!!!!!

O que tem a comemorar o cidadão de periferia, que vê os homens públicos ao vivo só em véspera de eleição, que tem tantos problemas que destruiria sozinho o orçamento público de um ano, mas que tem que adiar permanentemente seus sonhos, pois não tem possibilidades?

Perceba, leitor, conversa comigo, ou com seu amigo imaginário, quem sabe até com seu travesseiro, este é o mesmo discurso que foi passado na matéria abaixo, com outro enfoque. Por que este outro enfoque não é visto e os personagens nele inseridos nunca aparecem aos olhos de ninguém? Isso sim seria criatividade, diferentes formas de se mostrar uma história. E nem sempre a história será ruim, como a exemplificada, basta olhar a produção de arte, a cidadania, a fraternidade encontrada em comunidades periféricas que dariam inveja a muito conjunto habitacional do centro.

Estou começando a achar que nós, travesseiros, temos uma mente muito mais evoluída do que os humanos, que ainda não foi descoberta, mas que tem uma vantagem, a imprevisibilidade, pois ninguém, ou quase ninguém. nos conhece. Digo isso, leitor, porque os homens são sim muito previsíveis e, com isso, vulneráveis.

Também tenho algumas certezas, uma delas é que prefiro mil vezes continuar sendo o que sou, um travesseiro.

Um comentário:

kennedy disse...

Gostei cara...muito boa, acho que estes textos devem ser mais frequentes no blog e em todas as zonas de debates